segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

poemaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Abençoar as aves
Agasalhar as avós

Acarinhar anjos, arcanjos
Abarcar amigos
Asilar a África
Alimentar o Haiti

Ajudar alguém

Amputar algo algoz

Alforriar os animais
e as andorinhas andarilhas

Em áurea aurora, se afeiçoar
No antro da avareza, se arrefecer
Nos ares azuis, se alar
e se aventurar até o atol

Adornar-se de açucenas adoráveis
Alegrar-se nas albas águas
Alçar os altos nas asas das águias...

Alojar no âmago, aromas:
arrudas, azaléias, anis,
açafrões e alecrins

Apaixonar-se por artes agradáveis
Apaziguar-se em árias augustas,
harpas harmonizadoras
Abstrair-se em arquiteturas astutas

Amansar-se nas alamedas amarelas
-as alongadas amarílis

Afugentar-se da agonia da alcova,
dos álcoois, ácidos alucinógenos, alcatrões abomináveis

Adorar ao Altíssimo:
alicerce anímico, âncora, amparo,
absurdo, absoluto amor,
adocicada amora. Amém.