segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Na humildade

Somos gerações substituíveis, superáveis

Planeta pequenino
em meio às galáxias inumeráveis

Centelhas que brilham sozinhas
e não sublimam as trevas inefáveis

Exércitos de soldados mesquinhos
que não derrubam as forças execráveis

Portadores de belezas fulgazes, somos...
magnatas de minas esgotáveis

Soberanos de glórias pouco tenazes

Soberbos, frágeis...

Criaturas especiais...
rodeados de milhões de outras agradáveis!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sem drogas

Incrível sensação, 
a de galgar o real...
Certo da direção,
viagem natural

Nítidos sentidos,
mares sem tormentos...
Sonhos escolhidos,
sinceros sentimentos

Plena paz na natureza...
Falsa alegria no etanol...
Sem máscaras é que se vê beleza
no colorido atol

Que plácida a alma,
isenta de anfetamina!
O sumo da calma
vem da camomila

Às claras, com espírito de luta,
provar da vida, a amargura...
Beber do cálice da cicuta:
 perder-se em vale de loucura!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Lavadeiras

Lavadeira que limpa, perfuma e renova...
E o suor do trabalho na canção dissolve...
A ação mais simples é que mais comove...
Às cansadas forças, dá roupagem nova

Fadigado é o dia, que tua mão inova...
Recebes odor vencido, e no floral devolve...
Teu humor-amor, mesmo quando chove...
Desferiu-lhe marca o tempo:  corcova

N'alegria expurga a transpiração...
Filhinha de Deus tão compassiva...
refletida nas bolhas de água e sabão

Trama cuidada conforta a vida...
Lençois macios sonhos tecerão...
Mulher de fibra...ó musa...diva!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Amar o mestre

Ó ser excelso, sábio e benevolente...
que destinos ilumina e joias lapida...
Árdua é a luta, mas linda é tua lida
O amor que doas te volta de presente

Sabes do céu, da terra, da gente,
ó lume em ser, que a vida descodifica...
Esplêndido o mundo, e mais incrível fica
com tua áurea gentil e tua voz ardente...

Seja teu tempo, o dos carvalhos seculares
Seja tua bondade, uma escada ascendente
Fartas as bênçãos, caudalosas em mares

São doces os frutos, se boa é a semente
Marcaram teus passos tantos lugares...
Guiai-nos teu brilho, ó estrela candente!


Dedico este poema à professora e diretora Mary Cruz, pelo seu aniversário e pelo dia dos professores.


quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Ao pai

Abraça teu rebento, e o mundo transfigura...
Aprimora os entes a tua mão de zelo...
Apazigua os teus, no amor, com enlevo...
Cândido pai, bem em criatura!

Oásis em frescor, doçura em fruta madura...
Liberta os corações petrificados em gelo,
a tua vibração apaixonada em beijo,
ó Bach em divinal partitura...

Escolhido por Deus, capacitado a gerar...
Modifica dos seres a história
-teu ato de cuidar

Do mundo a maldade, esta escória,
teu semblante sereno vem aliviar...
Fidelíssimo és tu! E joia!