sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Lá vem o Natal


Lá vem o Natal,
lá vem Jesus...
em profusão
de luz

Lá vem harpas
celestiais
em ares de incensos
florais

Lá vem mantos
de consolação,
em  almas contritas
no perdão

Ternos presépios,
lá vem...
em lumes de amor
do além

Fios de piedade,
lá vem...
em feixes de paz,
amém!


Saudemos o Natal


Saudemos o Natal e sua canção-alegria...

Saudemos o Natal e sua luz-esperança...

Saudemos o Natal e sua trégua-instante...

Saudemos o Natal e seus aromas-saudade...

Saudemos o Natal e sua estrela-guia...

Saudemos o Natal e sua prece-bondade...

Saudemos o Natal e sua Maria-coragem...

Saudemos o Natal e seu José-fidelidade...

Saudemos o Natal e seu Jesus-revolução!


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Natal atual

                                                                                                                                          
O Natal são pessoas
centradas em si,
pessoas centralizadas no ato de compra, 
 de venda, 
de troca,
pessoas concentradas no ato de valorizar a forma,
o vaso,
a estética,
pessoas focadas no ato de ater-se a si mesmas,
no ato de se atarem a seus caprichos...

O Natal são igrejas de pessoas ausentes...

Natal são pessoas
e seus passos apressados,
e suas belezas fugases,                                                                                     
e seus tempos velozes,
pessoas e seus egoísmos,
e seus orgulhos,
suas luxúrias e vaidades,
suas provisões em excesso...

Natais são mais aromas que gestos humanitários,
mais enfeites que alegria,
mais símbolos que significados...

Natais são mais ruídos que canções,
mais frenesi que reflexão,
mais distância que abraços,
mais luzes que caminhos iluminados...

Nossos Natais são os personagens, do presépio, abandonados...

Nossos Natais são bonecos inúteis,
bolas artificiais,
objetos supérfluos,
brilhos cegadores
a ofuscar o nascimento de um menino...


Natal 2011



 A crise dos valores,
a crise na bolsa de valores
Greves graves
A crase em crise

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

Florestas em combustão,
flores com sede...
Águas radioativas,
soluções paliativas

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

Notícias ruins,
matérias bombásticas em telejornais...
Eclodem sentimentos atomísticos
dos seres irracionais...

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

Mãos de ferro que governam,
mãos corruptas,
voluptas, ardilosas...
Mãos transgressoras,
mãos que apertam o gatilho...

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

As costelas à mostra
do preconceito racial
Face negra feminina
da injustiça social

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

Pais que desamparam os filhos,
país que desampara seus filhos...
Falência da educação,
saúde em flatulência

mas o Natal é cristalina fonte restauradora

O futuro adiado, 
nebuloso, confuso...
Nossos sonhos trancafiados
de medo do mundo...

mas Jesus é cristalina fonte restauradora!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Símbolos do Natal

Natal, festa rica em simbologia,
ternura, esperança, espiritualidade...
Presépios tocam nossa sensibilidade...
Badalam os sinos, aleluia, alegria!

Bolas coloridas, encantadora magia,
ornando como frutos, árvores da natividade...
São os frutos: o amor, o perdão, a benignidade...
e a vontade do Pai que Jesus compreendia

Acendamos as velas, Cristo é luz!
Sigamos a estrela, caminho da vida!
Ceiamos o pão, junto a Jesus!

A coroa do advento, às portas, tão linda,
e os ramos verdes em forma de cruz...
Tão feliz é a noite na canção revivida!

O Natal


Instaura-se a esperança
-fulgura a estrela-guia

Lampeja o amor
-o presépio em fôlego de vida

Enternecem-nos canções
-saudade, alento, alegria

Suspende-se o egoísmo
-deserto gerando flor

Vibra a nostalgia
-trégua dos tormentos humanos

Resgata-se a fraternância
-mãos ofertando calor

Ecoam boas energias
-centelhas de sonhos de paz

Verte-se a luz:
Natal, cálida flama


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Natal em Jesus


Raiz de Jessé
Leão de Judá
Pai da eternidade
Príncipe da paz
Anjo intercessor
Soberano da bondade
Imperador da justiça
Expressão da fé
Excelso amor
Sementeira d'alegria
Salvador 
Cordeiro
 Messias
 Ungido
Iluminadora estrela,
Emanuel:
 luz para a vida envilecida
 

O que amou  pássaros e pessoas,
 Criador e criatura,
 e vales, ventos, vertentes,
 açucenas terrenas...

Mão de amor...
Amor de mãe...
Labaredas de amor...
O poder, 
a revolução ,
a sabedoria,
a justiça,
a força branda,
os pés em sandálias gastas...


 O céu a passear na Terra...
A vitória da paz sobre a guerra...
  
  O coxo  a andar
O cego a ver
O surdo a ouvir
O morto a respirar
O leproso a se purificar...
em Jesus, menino do meigo olhar

Ternura pura,
candura,
a trazer boas novas,
agasalho, 
humildade, 
bênção,
 tolerância, 
aperfeiçoamento,
 reconciliação,
consolo, 
perdão...


 Foi pelo sangue na cruz:
nossos pecados diluídos em luz


 Gota de mel 
de leite
Sol fecundo
Solo generoso
Pão que sustenta
Serenidade,
esperança
Amparo,
fortaleza,
perseverança 
A veste,
o teto,
o prato...
A grandeza de cada instante,
Jesus:
eterna luz deslumbrante!
 eterna luz deslumbrante

É Natal!


Para o que aceita Jesus como fonte de luz
é Natal!

Para o que divide compassivo o peso da cruz
é Natal!

Para o que frutifica seu desmedido amor
é Natal!

Para o que se apascenta na candura do condor
é Natal!

Para o que mentaliza o bem na bendita oração
é Natal!

Para o que materializa auxílio ao cambalido irmão
é Natal!

Para o que clareia a alva alma no perdão
é Natal!

Para o que traz odor de rosa na generosa mão
é Natal!

Para o que libera dos exílios íntimos a clemência 
é Natal!

Para o que  imacula o coração na benevolência
é Natal!

Para o que repousa na fé no dia de agonia
é Natal!

Para o que irradia paz na alegria do dia
é Natal!

Para o que se encanta por Jesus, José e Maria
 é Natal!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Olhar além, no Natal...

Olhai, nesse tempo de Natal...
pela parturiente na fila do hospital lotado,
pela mãe que perdeu, para o traficante, o filho viciado,
pelo prato vazio, pelo olhar de fome esbugalhado,
pela pobreza produzida pela riqueza,
pelo menino maltrapilho, com frio, abandonado,
pelo pai de família desempregado, desanimado,

olhai pela cidade, suas vias e desvios, seus destinos e desatinos,
suas bocas de fumo, suas bocas com fome,
olhai pelos sem-teto, pelos sem-terra,
pelos sem-chão, pelos sem-solução,
olhai por aqueles que não tem visão,
olhai com os olhos da emoção

Olhai, nesse tempo de Natal
-e Natal deveria ser todo dia,
com olhos, pés e mãos fazedores,
 desatadores de dores,
cuidadores de flores
de magníficos odores...

e os lírios do campo!

Tempo de Natal

Natal, tempo de renovar... 
a fé, a esperança
a cantata 
a dança

Encantar-se com a graça do Deus-criança

Partilhar com Maria
alegria

 Deliciar-se  das coisas do céu
ou do mel
-e tornar-se Noel

Tempo de arregaçar as mangas
e colher azedinhas pitangas

O Natal, muito além da bebemoração,
virá amolecer o coração cristão...

 Ofereceremos mais que farrapos de sentimentos,
ofertaremos mais que trapos de roupas,
daremos mais que migalhas de pão,
doaremos comida boa,
curaremos na oração

Natal do bem,
a abrir nossa mão,
simples assim...




Natal dual

Natal espiritual:
as famílias reunidas em orações...

Natal material:
coisas vãs, vil ilusões

Natal em comunhão com Deus,
verdadeiro Natal cristão...

ou Natal carnal,
vazio na emoção


Natal na aleluia, na glória, no louvor, na adoração...
ou Natal na senda da escuridão



Presépio, pinheiro, estrela de prata ourada,
a mais cândida humildade de Jesus emanada...

Ou apenas bebidas, banquetes, presentes
-ausentes as coisas que acalentam a alma

Natal são mãos que aos pobrezinhos acolhem...
ou corações que se recolhem,
de tanto egoísmo se encolhem

É Natal para quem semeia e depois reparte...
Nada de especial para quem não partilha,
e nem faz falta quando parte

Natal do que caminha deixando marcas no espaço...
ou do insensível (coração esculpido em aço)

Do que abraça desejando o bem...
ou do incapaz de dizer "assim seja", "amém"

Ó Deus-menino,
Verbo divino,
é Teu Natal de novo...
possa modificar teu povo

Esse Natal imortal,
uma trégua no reino do mal!

Todo Natal, renascer da criançamor...
Esperança em eterna aliança

...e nos shoppings, nas ruas, nos lares, em todos lugares
-e até nos ventos e mares,
dourada estrela anunciadora reluz:
O Natal é para Jesus!


Cintila a paz em forma de luz

Jesus, o menino

Amor imenso
em aliança co'a fé:
contemplemos ternos
Maria e José

Gabriel anunciou
Maria aceitou
creu José
-era lindo o bebê de Nazaré!

Indicou a estrela-guia
a chegada de quem seria
autor de nossa alforria
-os reis Magos se encantaram co'a luz que o menino luzia!

E aquele momento terno
se perpetuou eterno:
Jesus embrulhado em farrapos,
Maria o acarinhava em seus braços...
-o rebento dos pais herdara os traços!

De palha, a manjedoura
De presentes: ouro, incenso e mirra
Cena de singeleza e realeza
-lagrimaram 'té os animais de alegria!

E a criança portadora de esperança
a felicidade conheceu nessa honrada família
E era tanto, tamanho e tremendo amor...
-faltaram palavras em minha homilia!

Lembremos assim de Jesus,
esqueçamos a injustiça da cruz
A infância brincada entre pipas e peões
Adormecia embalado por belas canções
e cândidas orações...

E era tão doce lar, e aconchegante ninho,
eram três pombinhos, bem agarradinhos...
Vivenciaram com paixão cada gota de existência
alheios ao vindouro amargo destino

E comiam uvas docinhas,
brincavam com as ovelhinhas,
nos campos cantarolavam,
nos altares a Deus adoravam,
e nem um pouco se importavam
por quem os sinos de Belém dobravam!