domingo, 15 de abril de 2012

Sobre a realidade nua e crua de quem -como eu- não nasceu virado para a lua


Dá-nos a vida
todas as feras
em todas as esferas


Dá-nos a vida
todas as guerras
em batalhas etéreas


Nós somos luta e labuta
entrelaçados
lutalabuta


Somos erros e acertos
intercalados
acertos e erros


Somos a sociedade degradada
descrita no poema
que te desagrada


Somos a realidade das ruas, dos jornais
Somos o todo que se divide
em partes desiguais
 
 

Somos espadas e espinhos
Um exército de muitos soldados
mas temos que lutar sozinhos


Somos dores e amores
feridas e flores
entremeados num mosaico de cores


Somos parte desse show, dessa lida
e mesmo a asa ferida
a nave abatida
e a nave cambalida,
NINGUÉM DEVE DIZER BASTA À VIDA!