segunda-feira, 30 de abril de 2012

A um trabalhador

De Franca, o ilustre Ricardo. Cadeirante.
Pedreiro. Assentador de azulejos.
Brasileiro. Milhões de sonhos, desejos...
Sem lamúrias.  Gratidão constante. 

Sua cadeira precária. Avante!
A enfrentar a calçada: queijo
suíço esburacado. Eu vejo
o heroi. De impostos pagante.

O Ricardo e sua fortaleza...
me põe no chinelo. Eu, me preocupando
co'a caloria d'uma cereja... 

Arrimo de família, ele madrugando...
Com alegria aceita sua peleja...
Conduta que vem nos inspirando...