segunda-feira, 14 de maio de 2012

Soneto (sem rima) sobre a reclamação

É incrível que pessoas, que nem eu,
lamuriam, lamentam sem parar...
É a pasta de dente que não fecha...
É o botão da rosa que não abre...

O dia é muito claro, e a noite, sem luz...
A chuva encharca, e o sol, não molha...
Meu Deus, como gritam os papagaios!
O mundo, e seu defeito de fabricação...

E não percebemos que a vida é rara,
e cara também, mas que privilégio...
Estar aqui e saborear as goiabas...

Bem verdade, nem tudo são flores...
Mas, o que não flores: folhas...
Barco tocando...na gratidão