segunda-feira, 11 de junho de 2012

Início de ano letivo

Início das aulas,  guri chegando,  maior euforia...
Vai contente, cabelo cortado, caderno novinho...
De amigos novos, fica esperando, empolgadinho...
Aulas bacanas, e algo mais,  que o encantaria...

Mas,  logo logo,  a lua de mel  acabaria...
No quadro negro, escrevendo, ouvindo, dá soninho...
Ele pegou celular, e na surdina, brincou de joguinho...
Sem laboratório,  de  novo  nada  experimentaria...

O pedagógico de uma escola  é  o  coração...
Sem recursos, escola é praça de bate papo...
E o professor, levando a turma na empolgação...

O  governo  não  ama  as  escolas,  de fato...
Confirma a galera desconcentrada no fundão...
Tudo  tão  vago,  sem  foco,  e  tão  chato...