domingo, 17 de junho de 2012

Solidão, ninguém merece!

Vá, mas não me leve.
Deixe-me experimentar caminhos...

Seguiremos por trilhas diferentes.
E ar, cada um respira o seu...

Os pés seus não são meus.
Capenga, mas 'inda vale meu cajado...

Minhas provisões são improvisadas.
Minhas decisões são imprevisíveis...

                                           
                                                                           Vá, mas me espere!
                                                                           É miserável caminhar sozinho...