terça-feira, 17 de julho de 2012

Lenheiro

Atravanca-lhe a vida, o vira-bosta:
bota ovos no ninho alheio, o besta...
E na bondade do lenheiro se encosta...
Mas isso é mera curiosidade...
O que vale é o poema gritar:
-os inços estão a queimar,
pecuaristas no campo a "limpar"...
E isso é uma calamidade!