terça-feira, 28 de agosto de 2012

Uirapuru-verdadeiro

Flautista e corneteiro,
feliz voava, e ligeiro,
o uirapuru-verdadeiro...
Entoava tão bela canção,
que a toda mata emudecia...
Ao raiar, e ao fim do dia,
a todo ser enternecia...
antes da desertificação