segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Pica-pau-dourado-escuro-do-nordeste

Escasso na natureza, raro em museu...
Seus hábitos, seus traços, com ele morreu...
Pica-pau-escuro, em túnel de breu...
Sem saída, sem pesquisa, sem certificado...
Imaginemos então, sua penugem d'ouro...
Comendo o que, gafanhoto, besouro?
O poema não deseja mal agouro
mas bicho sem mata, tá ferrado!