segunda-feira, 24 de setembro de 2012

gravatazeiro

Salvem o gravatazeiro da extinção!
Foi tão sombrio esse verão...
Ares de morte, sem canção...
A "mata de cipó" desvanecida,
co'a lenha do nosso luxo...
Vai bromélia, vem lixo,
insustém a vida do bicho,
que para o homem, é nada...