sexta-feira, 19 de outubro de 2012

poema sobre Cartão de Natal - número um

A árvore de Natal
da minha mãe adorada,
de um jeito especial
era decorada: 

Minha mãe prendia,
(na paciência que só dela)
os cartões recebidos,
na árvore singela...

Depois ela os guardava,
com carinho,
em caixa de veludo
cor de vinho

Na caixa de tesouros,
os cartões divinos...
Com nobres palavras 
em traços finos...

Manejo essas joias
de vez em quando...
É tanta saudade
me revisitando...

Lembranças boas
dos tempos idos...
Com letra e cheiro
dos entes queridos...

Hoje os recebo,
mas são descartáveis,
esses cartões virtuais,
deletáveis...