terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O que sobrou do Natal?

Sobrou do Natal apenas
as caixas vazias, papeis amassados,
laços de fita desfeitos,  lixo e mais lixo,
os descartáveis, os atos nobres descartados,
a coisa material-comensal-comercial?
Então não foi Natal!

Sobrou do Natal apenas
as sobras, as raspas, a xepa, 
os restos, as migalhas para o irmão?
Foi Natal não!

Sobrou do Natal apenas
a comida congelada, os sentimentos congelados,
a louça suja, a desordem da casa, o estresse,
e uma sensação de alívio ao final?
Não, não foi Natal!

Sobrou apenas o cansaço, o sono, a ressaca,
a dívida, a camisa para trocar na loja,
o ganho de peso corporal?
Passou longe de ser Natal!

Se sobrou do Natal apenas
os enfeites para serem escondidos,
presépios para serem esquecidos,
árvores chatérrimas de serem desmontadas,
atos fraternais encaixotados até o próximo Natal...
Então não nasceu para ti o Cordeiro Pascal!

Mas se ficou do Natal
um presépio imaginário, eterno,
uma mão solidária, que se abre o ano inteiro,
uma esperança, um lume de paz,
uma família mais unida,
uns amigos mais amigos,
a recomposição das forças,
a renovação da fé,
um coração pulsando diferente,
mais grato e gentil...
hum, que legal!
Foi Natal!