domingo, 24 de fevereiro de 2013

As baratas

O DNA humano
já vem impregnado
de asco à barata
Eu teria surtado

ante às antenas irriquietas,
o corpo filamentoso...
Detalhes visíveis
no bicho asqueroso...

Engraçado, a barata,
tão resistente...
O dino jaz,
e ela, valente...

Secreto e quente,
o seu ninho...
Baygon ali
só faz ventinho...

'inda faz desfeita
pra visita:
desfilando na sala,
a barata a irrita!

Intoleráveis seres,
grandes, pequeninos...
Voadores ou não,
escuros, albinos...

Coisa de mulher,
a fobia de barata...
Homens, idem,
 Freud trata

Castigo do Éden,
sete pragas do Egito...
Barata é castigo
-está dito

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

POEMAS QUE FAZEM HOMENAGENS A ALGUMAS PÁGINAS DO FACEBOOK

BROMÉLIA - grupo



Miremos nas qualidade da bromélia... 

que se apoia no galho vizinho,
sem o sugar

que ao sol e sal resiste,
e ainda oferta sementes

que, híbrida de charme e força,
sem raiz 'inda cresce

Bromélia que desafia as adversidades,
que faz morada das pedras,
das encostas dos mares,
quiçá dos ares...

Bromélia discreta ou exótica,
da ofuscante beleza,
na inflorescência simples ou ramificada,
na flor isolada ou na profusão de flores,
no colorido modesto ou exuberantes cores

De cinquenta gêneros, essa mãe generosa,
amiga da luz, do vento,
gentil com joaninhas e abelhinhas,
acolhedora de beija-flores e mamíferos pequeninos

Sensível e versátil, a bromélia:
ornamento e abacaxi
xarope para tosse e enfeite de jardim

Bromélia-casa, bromélia-sustento
Americana d'Amazônia e d'Atlântica Mata
De tão cobiçada, perseguida
Melhor que colhê-las: semeá-las

Surpreende-nos, a bromélia!
Afastemos suas folhas gigantes,
e eis que nos é revelada,
delicada e frágil...a orquídea

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Aquífero Guarani Merece Socorro Natureza (página)


Água cara, rasa fonte vital!
Manancial de guerra e frescor...
Límpida e clara, raro amor:
estimula o córtex cerebral

Evaporando vai, a água cristal...
Ressecando a vida, ao global calor...
Tenebrosas nuvens, pavor:
chorar secas lágrimas de sal!

Remanescem as águas...as abissais...
Agonizam os rios alquebrados...
Coleções de sapatos são irracionais!

Suga a ambição os solos ressecados...
Queima a ganância as matas virginais...
Tristes as noites, sem lagos enluarados... 

Deficiente Sim, Superar Sempre (página)

Gostar pelo que se é,
desistir da perfeição,
valorizar a amizade...

Estar junto,
nutrir sonhos,
alimentar esperanças...

Amar e amar:
não pelo detalhe,
mas pelo caráter...

Desafiar o mundo,
seu preconceito
feio, frio...

Respeitar limites...
Não pode ir além?
Tudo bem...

Fé e força!
A vida,
a grande conquista...

Paciência,
um dia de cada vez...

Deficiências não,
eficiências!

Tudo é normal
(observe a natureza)

Na gratidão:
o maior prêmio,
estar aqui...

Com Deus, em Deus...
Sorrisos e girassóis,
sempre lindos!

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Zuzu Angel - Instituto Zuzu Angel (página)


A sede de justiça, vinda de meiga feição...
Destemidos passos, impulsionados de amor...
Um anjo machucado, denunciando a dor...
Desconsolado anjo, a buscar explicação!

Pássaros engaiolados, bordados em coleção...
Um filho ceifado, criado ao mátrio primor...
Delatadora mãe  - o dossiê do horror...
Um tiro a anunciar: ditadura, maldição!

Zuleika Angel Jones (Zuzu),
um sacrifício pela liberdade...
Um anjo-luz, no céu azul...

Legou bravura à sociedade...
És memorável, ó Estrela do Sul...
É inspirável, tua idealidade...

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Ao Mestre, com Carinho (página)

Criaturas extraordinárias, os professores
- quase todos, e muitos, e queridos...
Marcam nossas vidas, doces sorrisos...
Ensina-nos perseverança, esses amores...

Seres oprimidos que oferecem flores...
Anjos alegres de bolsos falidos...
Almas cansadas, mas bons fluídos...
Sôfregos espíritos a ocultar suas dores...

É por amor que se decide professor...
Abraçar a educação, é por amor...
Por amor se casa com o professor...

O branco da paz, se professor fosse cor...
Explosão solar, se medissem seu calor...
A menina dos olhos, se eu, governador...

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Orgulho Negro (página)

Cor parda, negra, mulata...
Cútis bela, linda tez...
Matiz de orgulho e altivez...
Brilha ao sol e lua de prata...

Pele preta, merece serenata...
Brasil genuíno, a bola da vez...
Enaltecer a raça, sem timidez...
Abolir a indiferença insensata...

Machado de Assis, Castro Alves,
Senadora Benedita, Paulinho da Viola,
Joaquim Nabuco, Zumbi dos Palmares...

Nuances na velha e atual história...
Seres idôneos, espetaculares...
Asa morena, rara jóia...

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Pedala Manaus (página)

 

De carro passa
a elite impaciente
De bike o cidadão
passa contente...

Carros são pessoas
amarradas, imóveis
Bikes são levíssimos
batmóveis...

Automóvel,
que troço barulhento!
Bicicleta,
carícia de vento...

O primeiro,
fuligem pro pulmão
O segundo,
Amsterdam e paixão...

Automóvel,
mobilidade insustentável
Pedalar,
essa atitude louvável!

Um congestiona
-derrame cerebral
Outro soluciona
-benefício global

Carros consomem:
dinheiro, energia
A magrela,
 só na caloria...

Seguem os carros
destilando preconceito
Bicicleteiros seguem
clamando respeito...

bici,
parceira do ambiente...
"Pedala Manaus"
plantou a semente...
    

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

AMO Portugal - Associação Mãos à Obra Portugal (página)

Amar Portugal,
limpar Portugal...
do lixo que sufoca
o delicado roseiral

Amar Portugal,
livrar Portugal...
do entulho que perturba
a criança no quintal

Amar Portugal,
Amar Portugal!
Responsabilizar 
quem lhe trata desleal 

Amar Portugal,
despoluir seu canal:
amar Portugal
d'um amor real

Amar Portugal,
purificar Portugal...
as águas sensíveis
do Parque Nacional

Amar Portugal,
lhe ser cordial...
à sua beleza
anormal

Amar Portugal,
salvar Portugal
do desperdício...
e aquecimento global

Amar Portugal,
sonhar Portugal...
seu solo livre
do pesado metal

Amar Portugal,
mãos à obra, Portugal!
Quem ama cuida
-ponto final
 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Colecionadores de ossos (Paleontologia) -página

 

De osso em osso,
de dente em dente:
o cenário da vida,
a "evolução" do homem...

De peça em peça
se traçam os cursos:
dos rios, do homens,
dos continentes...

De traço em traço
no sedimento, na profundeza:
o quebra-cabeça
do tempo montado...

A chave do presente
em cada vestígio...
Em cada cristal
de gelo, o clima...

Em cada pegada,
os seres extintos...
Em cada ovo,
o DNA repousado...

 É geociência
e biologia em elo...
No gavião de hoje, 
o dino...

De fóssil em fóssil,
é a história explicada...
Na velhacaria,
é o macro integrado...

E se formula a pergunta,
e se cava a resposta...
E se revelam
os ossos d'ofício ...

de investigar a morte
para entender a vida
em ciclos, pudera,
intermináveis...
  

Associação dos Catadores de Recicláveis de Piranguinho (página)

Obrigado por separar o lixo,
e colocá-lo à porta às quartas...

Obrigado pelo teu gesto simples,
de grande estímulo...

Obrigado:
o reaproveitamento
a reciclagem
a reutilização
o respeito!

Obrigado por embrulhar os cacos,
poupando as mãos frágeis...

E não misturar alimentos,
mostrando civilidade...

Separar papel higiênico,
é educação em alta...

Também dar um fim
ao prego enferrujado...

Todo o povo agradece,
se a chuva cai sem culpa...

No bueiro desimpedido,
na rua linda, limpa...

Se a butuca do cigarro ao lixo...
obrigado!

Se a garrafa pet
em vassouras... obrigado!

E agradecem os peixes
sem isopor nas guelras...

E agradecem pássaros
sem plástico nas goelas...

Obrigado se o óleo,
não jogaste na pia...

Obrigado se a grama
não recebeu tua pilha...

E agradecem os batalhadores
catadores de recicláveis...

E as gerações vindouras,
pelos exemplos memoráveis...

E agradece a criancinha,
que descalça brinca...

O colorido jardim,
também grato fica...

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Patrícia Brum - Pintura em Tecido


Espalhar nos lares
sonhos...

Perfumar os lares
flores...

 Trocar as dores
-amores...

Trocar dores
por cálidas cores... 

Inspirar os dias...

Desfrutar docemente...

Caprichar nos detalhes...

roubando a matiz do jardim
e arco-íris...

Amar os ninos
em enxovais divinos...

E o pano de prato
do amarelinho pato...

Pintar um mundo
ideal, perfeito...

Bordar uma fauna
 feliz (respeito)

Mimosos
todos os seres...

 A beleza...

O encantamento...

em mãos ousadas
 e ágeis:

Nuvens alvinhas...

Costureiras joaninhas...

Barulhentas galinhas...

todas fofinhas!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Comunidade Terapêutica para Tratamento de Dependentes Químicos- Teresópolis- RJ- (página)

A flor revitalizada
-quase morta era

Os passos firmes
-já era fétida a carne

O cérebro no comando
-sem loucas miragens

A oficina que prepara
-não o vácuo dos dias

O lençol limpinho
-no lugar do chão duro

A confiança da família
-que já sem lágrimas...

A mão que oferece a sopa
-não o álcool amargo

O futuro promissor
-sepultando o passado

A bonança
-depois do tsunami

As asas 
-depois do exílio

O sol
-depois do porão frio

Tudo verdinho
 -pós o rigor do inverno

A esperança rediviva
-ninguém mais acreditava!