terça-feira, 23 de abril de 2013

Poeminha da barata

Couro e casca
antena, patas
A pior das visões:
baratas!

Bichos escrotos
Esgotos, sapatos
(dos Titãs)
 Idem ratos

Mandíbulas duras
roendo pensamentos...
Reduzindo ao pó
os ventos

Contactar-lhes
é golpe baixo...
Subindo às pernas,
enrolando nos cachos,

barangas vão
emaranhando tudo...
Saiu poema
-sisudo