quinta-feira, 30 de maio de 2013

POEMAS QUE DÃO ESPERANÇA, FORÇA E FÉ

Brilhe tua estrela
Paz é teu destino
O bem é tua estrada
Ser feliz, tua missão,

coração,
finda as lágrimas na fé
Não antecipes saudades
Não te amargures em dores 'inda vindouras
Teu corpo tem um tempo exato
Tua alma tem um tempo todo
Tuas angústias serão diluídas
em algum tempo
Tua áurea boa será destroçada
em tempo nenhum

As estações se renovam
As cores do poente não desbotam
O sol não perde a hora:
beije agora. Os beijos são lampejos,
e devem ser imediatamente estalados

Veloz corre o rio, as nuvens do céu
Veraz o abraço de mãe, o cuidado de pai
Glórias ao hoje, aos domingos com almoços, às tardes com chás,
e todos os dias duros, mas quase sempre lindos
A vida à vida exorta:
nem ouse cerrar essa porta!

A humanidade evolui
-lentamente, mas evolui
E nós caminhamos
-de mãos dadas ou não, mas caminhamos
Doenças são curadas, tiranos são abatidos, leis são cumpridas,
consciências humanas vão sendo desenvolvidas...
mesmo que a ferro e fogo,
mesmo que devagar - mas sempre
Vamos abrindo as janelas
-com grades, apesar
Aleluias à amizade, à flor, ao amor,
à oração arrefecedora de dor!

"Esperanças vencem medos"
"Esperanças vencem preconceitos"
"Sim, nós podemos!"
O sonho não acabou...
O show tem que continuar...
No amor, na gratidão, abraçar a família...
antes que a noite dê em silêncio dormente

Os sonhos na aurora, sorvê-los com afinco...
antes que a rotina do dia os absorva

O canto dos pássaros e os ouvidos se abrindo...
antes que as motoserras quebrem o encanto

Prestar atenção à própria consciência...
antes que o mundo desvirtue o recolhimento

Cuidado, amizade, trabalho, Deus...
antes que a vida se torne um pesadelo!
Ó Deus, alivie...
na missão penosa a fadiga

Ó Deus, acalante...
nas farpas do corpo o gemido

Ó Deus, abrace...
no suspiro derradeiro a essência

Ó Deus, envolva...
no trabalho fecundo o sonho dourado

Ó Deus, tolere...
no ofício de aprendiz o engano

Ó Deus, anime...
na trilha pedregulhosa a peleja

Ó Deus, derrame...
no coração mais duro amor puro

Ó Deus, reluza...
nos campos minados Teu escudo

Sinalize, ó Deus...
no homem-matéria a Tua presença

Ó Deus, vivifique...
na violência atroz a fé cambalida

Ó Deus, semeie...
na melancolia do poema a esperança

Ó Deus, ó Deus, transfigure...
no jornal da manhã demônios em anjos!
Estas mãos que cheiram a rosas
(mãos generosas com rosas cheirosas),
baixam o fuzil e a ira
Doce lira

Poema primaveril

Céu azul de abril

Exulta, jubila, anima
alegra a irmã e irmão
teu manso coração cristão
Senda de elevação
Chave de celestial mansão

Vem florindo de lírios o campo
teu olhar
Vem abrandando fúrias
teu cantar
Vem dizimando egoísmos,
educando tiranos
teu ato de amar

Estrela norteadora,
sempre guiando os passos de alguém
Chama de Deus,
reavivando vem o bem
Jesus é a luz do mundo,
brilha tua luz também

Ó amigo do bem bendito,
próvido abrigo,
vem libertando,
levantando,
quebrantando palavras duras,
espantando nuvens obscuras,
as auréolas dos anjos são iguais as tuas...


Paz emana de tua'lma
como das profundezas abissais

Tua benfeitoria preenche de vida
os espaços siderais


Beleza de pássaro que voa
Caridade, carinho, coroa



Mão ofertadora de pão...
suprime a aflição

Das coisas de Deus,
és fonte
ou ponte?


Sol em esplendor!
De horizonte em horizonte


Fazes dos ares revoltos,
brisa


Dos tormentos e das tormentas,
brumas. E plumas.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Quem consola ao outro, consola a si mesmo...

Ilumine o caminho alheio, iluminando também o teu...

Ocupe o tempo, a alma, o corpo, como fez Jesus...

Recolha-te exausto ao teu leito, de tanto semear paz...

Se tens uma estoria triste, ela não é eterna...

Mas não se fie no tempo, que lentamente se arrasta...

Agarra-te ao teu amigo, aquele de colo quentinho...

Quantos lutam por um fôlego de vida, que nem o teu...

A contemplação da natureza, e a restauração da harmonia...

Continues na missão, como fazem os pássaros...
Não te detenha os obstáculos
Montanhas são removidas por tua fé
Cordilheiras são movidas por teu trabalho

Não te esmoreça a depressão
As perdas são preenchidas por novas conquistas

Não te envergonhe os teus erros
Nossos enganos, o que são? Um vindouro perdão

Não te angustie as trevas
Tuas orações a Jesus são portadoras de luz


Não te abale as adversidades
As alvoradas são precursoras de eternas esperanças


Não te canse o fardo da tua missão
Os amigos são provedores de força


Não te amedronte a fome
Tuas mãos caridosas são semeadoras no solo fecundo


Não te amargure a exaustão
As rosas perfumadas são serenadoras de almas


Não te aflija o passar dos anos
As estrelas são demonstradoras da glória de Deus!
 
Agradeça
pela luz que doura lindamente o dia

Persevere
na divina luz que te guia

Anime-se
A luz que te chama à seara, é motivo de alegria

Faça-se 
de sol ao meio dia, luz da luz, harmonia

Ame
à luz da lua - nostalgia

Espere,
mas não muito (veloz luz arredia)

Furte 
das estrelas o brilho. Reluza sol a poesia

Reflita:
se não houvesse treva, a luz não resplandeceria

Confie:
se as nuvens cobrissem a luz, o vento as levaria

Permaneça
na eterna luz que Maria concebia

Clareie
caminhos. Sê vaga-lume: alumia
 

terça-feira, 28 de maio de 2013

 
Aurora resplandescente
Sentir-se mansamente
Bem que germina eternamente
(cadê essa semente?)

  Paz, 'sperança eterna
  O homem pode ser bom
  e a poesia, terna

Força incandescente
o amor, estrela cadente
linda luzente
O amor é essa semente

  de paz, 'sperança eterna
  O homem pode ser bom
  e a poesia, terna

Joia rara
cara
(de)volver ao ar
arara

  Paz, 'sperança no peito
  O homem pode ser bom
  O mundo pode ter jeito

'inda bom vento
'inda não finda luz
nesse tempo
'inda pinga o bem
no gesto, no pensamento

  Paz, sonho real
  Petrificar o mal
  em estátua de sal

Gaiolas grotescas
Cidades dantescas
A Terra é um educandário
Cursamos o estágio primário

  Tirar armas da luta
  Restaurar sorriso
  na face enxuta

Família, retomai o leme,
sê mão, sê boa mãe,
abarcai teus rebentos, família!
(o mundo perene)

  Paz, 'sperança terna
  O homem pode ser bom
  e a poesia, eterna
Respeito, honestidade, compaixão...
gestos raros na Babel moderna
A impunidade, galardão para quem erra
O diamante, mais duro que o coração

Humildade, sabedoria, gratidão...
pintariam a vida em tela mui bela
Família fria, não mais aquela
Feio semblante, não mais cristão

Por que teu joelho não dobrado?
Por que tua lágrima não vertida?
Por que teu amor desamado?

Que flecha lhe imprimiu esta ferida?
Que fel lhe tornou amargurado?
Que coisa lhe desalmou nessa medida?

domingo, 26 de maio de 2013

 
Aparentemente brilhante esse olhar 
-mas ofuscado no íntimo
Se penetrássemos nessa alma,
poderíamos alegrá-lo  

Aparentemente sereno esse semblante
-mas turbulento  no íntímo
Se penetrássemos nessa alma,
poderíamos iluminá-lo

 
Aparentemente sorridente essa boca
-mas travada no íntímo
Se  penetrássemos nessa alma,
poderíamos  relaxá-la

Aparentemente aberta essa mão
-mas cerrada no íntímo
Se  penetrássemos nessa alma,
poderíamos libertá-la

Aparentemente doce essa palavra
-mas ríspida no íntímo
Se penetrássemos nessa alma,
poderíamos adocicá-la

Aparentemente íntegro esse irmão
-mas desumano no íntímo
Se penetrássemos nessa alma,
poderíamos amá-lo...
 

 
Há tempo para os erros redimidos
Há tempo para as poesias pacificadas

Há tempo para os voos perdidos
e para o afago das mãos dedicadas

Há tempo para as missões findas
e para o perfume das rosas delicadas

Há tempo para venturas lindas
se tempo for de baixar espadas

Há tempo para o silêncio das partidas
e tempo das aves retornadas

Há tempo para as escórias suprimidas
no tempo das oblações fluidificadas
 

sábado, 25 de maio de 2013

 
Uns são lumes, centelhas de esperança  na vasta escuridão
Outros não

Uns são templos de ternura, tempos de paz, restauração
Outros não

Uns são beijos, sóis, primavera, canção
Outros não

Uns são Jesus-fraternidade em hora de aflição
Outros não

Uns são bálsamos: sábios à luz da compreensão
Outros não

Uns, piedosas almas (a caridade do perdão)
Outros não

Uns são ignorância larval, moneras de mínima função 
Outros não
 
 
Estale os ossos nos abraços
Ao próximo, ofereça atenção
Sê canção para os espaços
E presença para a amplidão

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

Vejam teus olhos além
do teu espelho narcisista
Pensamento atado ao bem,
teu desejo de conquista

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

Semear para cear...
Labutar para dignificar...
Tal estrela sem fadiga 
e luamiga

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

Emanar a bondade de Jesus
é plantar em solo fecundo
O medo tem aversão à luz
A saudade é a provação do mundo

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

Atar os sonhos à esperança...
Ater o coração na bonança...
A fé a dor sublima
O bem resgata a humana estima

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

As lágrimas, tão desoladas,
nos mármores das sepulturas...
Belas as manhãs ensolaradas...
E a vida continua

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor nunca falhe

Siga na paz
Prossiga no perdão
Cada gesto de amor que se faz
Deus segura nossa mão

Verdeja a gota de orvalho o vale
-teu amor... 
 
Desperte o sol
                       A conquista através da ação
                                                                   Natureza dinâmica

                                                
 Enfrente seus sonhos
                                  A recompensa através da labuta
                                                                                    Correnteza a favor

Apreenda o ato 
                         O brilho através da renúncia
                                                                     Bons ventos

Desmitifique o limite
                                A vitória através do  ritmo
                                                                         Bons tempos!
Bondade seria nossa missão...
como a luz ao sol compete

Uma criança na manjedoura nos emociona...
Uma criança de rua e nossa indiferença!

A fome do outro vem do nosso egoísmo...
Sem remorso ignoramos a voz do Profeta!

Nosso maior inimigo é esse aqui dentro:
um coração duro que não se dobra ao amor!
Vale a pena ceder
vale a pena amar

Vale a pena acender
vale a pena brilhar

Vale a pena...
viver, perdoar
Para o dia ruim
a noite, que renova a força

Para a experiência da dor
a palavra, que cai como luva

Para o caminho pedregulhoso
o passo, que segue destemido

Para o fracasso depressor
a fé, que move montanha

Para a agonia do momento
o amigo, que oferta alegria

Para o limite humano
o sonho, que suscita forças

Para a triste despedida,
???

domingo, 19 de maio de 2013

POEMAS E MENSAGENS PARA SEPULTURAS


Porque o fôlego me foi concedido
e conheci o amor e a bondade,
Senhor, eu confio em Ti...

Porque é preciso caminhar
e Deus é perspectiva sem fim
Eu confio...

Jardins nos brindam com flores
e os pássaros, canções
Por isso, confio em Ti...

As estações resistem ao tempo
As estrelas se fartam de brilho
Senhor, confio em Ti...

Porque a oração sobe ao Céu
e por mim na cruz morreste
Confio tanto em Ti...

Porque a criatura se aperfeiçoa
e as leis naturais são perfeitas
Senhor, eu confio...

Da partida vem o reencontro
A escuridão revela a luz...
Ó Senhor, eu confio em Ti!

Saudade:
Lembrança terna e querida...
Enfeitou o jardim,
e deixou seu  perfume...
Saudade 
do momento bom,
da companhia perfeita...
Saudade da cumplicidade,
da amizade sincera...
Saudade da felicidade,
tecida assim, tão simples...
Saudade do encantamento,
do amor verdadeiro...
E da conversa animada,
sempre agradável...
Saudade que me traz,
tão fortemente...
A emoção do reencontro,
hoje, sempre...
Luz:
símbolo da vida,
senda do eterno...
Sigo-te confiante,
ó luz amiga...
Paraíso adentro,
me guia fiel...
E me apresenta a glória
da nova morada...
Abre-me os olhos,
ao Pai me conduz...
Boreais auroras,
fantásticos brilhos...
Dispersam as dores
da velha existência...
A luz que esparge
lumes de alegria...
Revela as dimensões
e as torna compreensíveis...
A poderosa Luz,
clarividência pura!

sábado, 18 de maio de 2013

Algo novo começou...
Alcançáveis, as estrelas...
Verdíssimas, as veredas...
Decifráveis, os mistérios...
Novíssima é a vida!
A plenitude do tempo, enfim...
A fraternidade nos homens, enfim...
A morada sem muro
A paz sem ameaça
A rosa sem espinho
A vivência sem temor, enfim...
Sonhos da velha vida, 
que agora se concretizam...
E uma imensa alegria, 
porque o amor não morre...
Eu hoje, você amanhã...
O nosso fim
é o eterno recomeço...

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Deixo-vos minha memória,
boas lembranças vos deixo...
Deixo-vos meu olhar de paz,
a lealdade dos afetos,
o amor dado e recebido...
Deixo-vos minha gratidão,
o perdão concedido,
a missão cumprida...
Deixo-vos um toque de esperança,
a certeza do reencontro,
essas rosas delicadas...
Deixo-vos com Jesus,
que seca a tua face...
Deixo-vos com Deus,
que lhe conforta agora...

Apresses,
e o tempo vai escoando...

Temas,
e o tempo, paralisando...

Não sonhes,
e nada se vai tempando...

Sonhes,
e tempo se vai inventando...

O tempo é uma lenda,
 se tu segues amando...

terça-feira, 14 de maio de 2013

Minha fé já me leva
ao Céu prometido...

A fé, minha força
e salvação nossa...

A fé em Cristo,
dos braços abertos...

A fé que me unge,
para a vida eterna...

Fé que materializa 
as palavras de Deus...

me concede agora,
o Paraíso perdido...

aceitação e resposta
Dá-me a fé... 

Consolo, agasalho,
a vós, queridos... 


Abriu-se o mar, para a fé de Moisés...
Ergueu-se a arca, para a fé de Noé...
Abrigou Jesus, a fé de Maria...
Creu no anjo, a fé de José...
Dobrou-se Cristo: a fé no Pai...

E a fé em Jó (inabalável fé em Jó!)
Fé em Jacó, em Gideão, em Sansão...

A perseverança para a provação
A força para a fraqueza
A vitória para a promessa
A luz para a escuridão
O ânimo para a tristeza
A morada para a alma...

O que se vê
O que se mede
O que se pede
O que se pega
O que vem às mãos...

Não titubeia, quem edifica a fé!

Remove montanhas, quem cultiva a fé!

Vence o tempo, quem a fé vivifica!

Renasce das cinzas, quem na fé...

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O Amor...
Ponte que une,
escada que eleva
Essência que completa,
conjuntura perfeita

  O Amor... 
Cumpre as promessas,
materializa os édens
Aí e aqui
sem fim, sem começo

 Amor...
O que vale,
dá sentido e nos move 
Pleno e eterno,
o que compensa