domingo, 26 de maio de 2013

 
Há tempo para os erros redimidos
Há tempo para as poesias pacificadas

Há tempo para os voos perdidos
e para o afago das mãos dedicadas

Há tempo para as missões findas
e para o perfume das rosas delicadas

Há tempo para venturas lindas
se tempo for de baixar espadas

Há tempo para o silêncio das partidas
e tempo das aves retornadas

Há tempo para as escórias suprimidas
no tempo das oblações fluidificadas