terça-feira, 28 de maio de 2013

Respeito, honestidade, compaixão...
gestos raros na Babel moderna
A impunidade, galardão para quem erra
O diamante, mais duro que o coração

Humildade, sabedoria, gratidão...
pintariam a vida em tela mui bela
Família fria, não mais aquela
Feio semblante, não mais cristão

Por que teu joelho não dobrado?
Por que tua lágrima não vertida?
Por que teu amor desamado?

Que flecha lhe imprimiu esta ferida?
Que fel lhe tornou amargurado?
Que coisa lhe desalmou nessa medida?