terça-feira, 24 de setembro de 2013

A estrela que guiou

Foram-se os Magos reis
sob prece e canção...
Procuravam, os três,
o Prometido de Abraão...

A estrela que os guiou,
ofuscou lua e sol...
Esse astro que brilhou,
clareou 'té farol...

E a luz se alastrou,
cintilação que os animou...
Serenamente os conduziu,
àquele que lhes sorriu...

A gratidão da gente
ao clarão resplandescente!
Que alumiou o caminho
do iluminado Cristino...

Memorável lâmpada
na celeste abóbada...
Turvada somente,
pela luz do Onipotente...

Regressa, ó estrelinha,
que o comboio descarrila!
Retorna, ò Menino
-a multidão sem tino!

Aonde a Estrela D'alva,
avivadora, alva?
E corações flamantes,
menos duros que diamantes?

Aonde o mar de amor,
que apregoou Jesus? 
Em que raio se dissipou
tão potentíssima luz?

'inda hoje em dia,
diria "sim", Maria?
E a fé de José,
consentiria Javé?

Volta, ó estrela:
já derrete a cera...
Jesus, meu Jesus,
quão amargo o mastruz...