segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Indulto natalino

Vem o poema sob a ótica
do filho que aguarda mãe

Vem o poema na ética
de Jesus amor é o bordão

Vem a poesia íntima
visitar a vítima:

a mão que se abre perdão
cura a ferida última...

É sândalo,
 lâmpada,
 alívio!