terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Na saudade (número seis)

Na saudade (não em debalde)...
Posto que tua atividade incrível,
de neurônios e de cachola em nível
reptante...Nas letras, no debate,

imperara, ó meu Andrade
Carlos Drummond, inoponível,
inteligente, inteligível...
Na contemporaneidade,

da (in)formação,
própria portabilidade,
ó meu Platão!

Ó meu Plutão,
minha titularidade?
Nossa rescisão