sábado, 25 de janeiro de 2014

Na saudade (número três)

Olhar pra trás e perceber,
sim, valeu tudo a pena...
A alma não foi pequena,
mesmo que se pôs a perder:

o amor, e seu poder
de doar perfume à verbena,
conferir graça à açucena,
mesmo que venha doer

eternamente!
Valeu, meu coração...
Lembrá-lo é premente,

seja em canção,
seja simplesmente...
É brinquedo não!