domingo, 2 de fevereiro de 2014

Adiamento

Amor antigo sem futuro,
pomba da paz liberta: vá...
Árvore fruto algum dará...
Berlim velha e seu muro

intransponível e duro!
Amor, a Glória me volverá:
Canto mais belo de carcará...
Das doçuras, mel mais puro...

Vá, meu querubim,
permitirei, eu juro...
Mas não tão longe de mim...

Pra que tão veloz assim?
O esquema do tempo eu furo:
comigo, meu curumim...