quarta-feira, 12 de março de 2014

O que levou Djalma Santos a correr atrás da bola?

O prazer de correr ligeiro,
como se fosse um menino...

O lançamento perfeito,
tão genial que era...

Aptidão de avançar no ataque,
guarnecendo a defesa...

A força, o fôlego...
O raio, o pássaro...

Nem tanto a ambição
de ser o bi do mundo...

Nem tanta avidez
por troféus, incontáveis...

Nem a cobiça por ser
a história da bola...

Maior lateral direito
dos tempos, dos mundos:

Djalma humilde e bondoso,
brincando nos campos menino...