sábado, 21 de junho de 2014

O que leva a seleção dos Estados Unidos de 2014 a correr atrás da bola?

Não desconfies, ó leitor,
do poema puxador...

Logo os Estados Unidos,
seriam amigos?

Com seu imperialismo político;
nacionalismo característico...

Sua histórica dominância,
sua pretensa fraternância...

Por que então o poema,
qual seria a estratagema?

Mas a rima vem da rosa,
dessa vez não belicosa...

Que vem do jogo limpo,
jogava-se no Olimpo...

Na jogada respeitada,
nenhuma dura entrada...

Não se simula de morto,
o olho não olha torto...

É o futebol pueril,
limpo no céu de abril...

No pênalti não cavado,
que poderia sabotado...

É quase ingenuidade,
beirando à amizade...

É jóia rara a lealdade,
nessa atividade...

Aproveitando espaço,
pra lançar meu laço:

a cultura do Tio Sam,
alegra noite e manhã...

No teatro, música,
cinema e dança:

a nossa alma se deleita,
até descansa...

Artes belas cores
boreais...

E um fair play,
além do mais...