segunda-feira, 28 de julho de 2014

Visitante nº20

Sonhos Lhe trago, Emanuel...
Fazer céu desse inferno,
desse inverno florir primavera...
Nova era no calendário
que vira, no campanário
o bronze revida, e a vida
mais que sempre esperança...
A dança ritmada do tempo
ao sabor do vento nirvaniano:
eu sou a Virada de ano

domingo, 27 de julho de 2014

Visitante nº19

A Jesus que se cravará em cruz,
oferto minha crucificação...
A vida que escorrerá de Cristo,
na minh'arte, ressurreição...
Suas mãos talhadas de sangue
anunciam: minha Paixão...
Uno somos em todas dores,
esculpirei-as, pedra-sabão...
Antes d'ouro nossa coroa ,
porém espinho...Sou o Aleijadinho

sábado, 26 de julho de 2014

Visitante nº18

Eu venho de ermas fendas 
trazer-Lhe airosa cor...
Nas mãos espeto espinho
mas, ó Nino, replico amor...
Da greta dura do asfalto
saltitando vai sonhador:
lavanda cravo canela,
té lagarto, e é voador...
Isto Lhe trago, ó meu Nino!
Descuidada, sou eu a Flor

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Visitante nº17

Tua vaidade eu modero,
'inda preencho tua mente...
Supro tua necessidade,
conduzo teu passo a frente...
De sol a sol retiro o sal:
desabrochará semente...
Desviar-te do ócio eu presto,
a meu Criador amor atesto,
vagueias tu ao léu, protesto!
Eu sou o Trabalho honesto

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Visitante nº16

Sou o grande que se faz pequenino...
Sou sábio, de tão passarinho...
Passará sabiá,
restará só ninho
oco...Sem pompa e pio
Sic transit gloria mundi,
a glória do mundo passa;
passa também a uva-passa...
Trago-Vos essa pacificidade:
eu sou a Humildade

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Visitante nº15

Ao Que nasce para morrer,
trago ardor para a poesia...
Ao Que morre para viver,
eis mais bela melodia...
Sem alegria, não o dia 
amanheceria...
Amadureceria não, a fruta-pão,
sem a matutina canção ...
Sou eu que doce tom
pro céu azul...Sou o Uirapuru

terça-feira, 22 de julho de 2014

Visistante nº14

Eu sou o passo destemido,
sou remida alma pacificada...
Sou eu quem veemente clama
pelo deserto e de madrugada...
Meus braços de paz abertos,
confiança elação obstinada...
Brindo Jesus com morangos,
sob suor e fé semeados...
Eu sou as Mãos ajuntadas,
 sou os Joelhos dobrados!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Visitante nº13

Embora nas mãos a aspereza,
mas a lisura da esperança...
Embora um cansaço na retina,
mas o lustro da esperança...
Embora a costa arqueada,
mas a esperança aprumada...
Se nasce Jesus porta-luz 
que esperança ultra-luz,
da fé sou personificação...
Eu sou o Cristão

domingo, 20 de julho de 2014

Visitante nº12

Sou a esperança,
sou a dança
da luz ao vento...
Gotejo lento fagulhento
a promessa, e a saudade...
Centelha que arde,
anunciando a Boa Nova
que renova a vida
turvada de aquarela:
eu sou a Vela

sábado, 19 de julho de 2014

Visitante nº11

Sou a melodia do mantra,
sou a voz secular eterna
que terna vos lhes canta:
as venturas dos adventos e
desventuras dos passamentos;
o final das lutas mundiais,
o prelúdio das labutas nas Gerais...
Dobro-me e me dobro
ao Nino Divino, me reclino:
eu sou o Sino

Visitante nº10

Eu trago o frescor do vento,
o esperançoso alvor...
Eu trago os passantes ligeiros,
suas modalidades de humor...
Eu trago coisas bastante,
e o que dos olhos, diante...
Eu trago para Ti, ó Jesus
Teu céu sem limite, e luz...
Trago-Vos a realidade concreta:
eu sou a Janela aberta

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Visitante nº9

Perdoe-me não Lhe trazer
a rosa no cume do vigor...
Releve-me por não Lhe dizer
doçuras num mundo de amor...
Eu venho apressar a brasa,
arder com voracidade...
Venho Lhe trazer, Menino,
o futuro que tudo saudade...
Sou a inefabilidade do cruzeiro:
eu sou a Sombra da tarde

Visitante nº8

Adornar a Tua vida, Menino,
que conjetura rude destino...
Encantar, junto à flor,
a doçura, o esplendor...
Jesus, ó meu querido,
eis que venho,
veloz raio sem alarido...
Beijos estalo, sabor
de cravo canela e amor...
Eu sou o Beija-flor

terça-feira, 15 de julho de 2014

Visitante nº 7

Terno meu lume Lhe conduz...
O Teu regresso seguro,
ó meu Jesus,
é o que Lhe ofereço: luz!
Meu lampejar Lhe vigia,
minha pira Lhe traz o dia,
minha mão é Teu cão-guia...
Salvaguardar vossas vidas,
dons mais singulares...
Eu sou o Farol dos mares

Visitante nº 6

Peço-lhe perdão, ó Altíssimo,
trazer-lhe um suspiro íntimo...
Murmúrios de águas passadas,
sussurros de águias revoadas...
Peço-lhe perdão, ó meu Jesus,
se minha presença ausência 
reluz...
Tudo efemeridade!
Eu sou a brevidade da aura...
Eu sou a Saudade

Visitante nº 5

Nesse estábulo proclamo:
proibido tristeza e ranço!
Nesse momento solene,
quebro o protocolo e danço...
Trago-Lhe, ó Onipotente,
o circo e o riso estridente...
E o Jeca Tatu violeiro,
e o valor ordinário de dinheiro...
No vosso coração eu sou top:
eu sou Amácio Mazzaropi

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Visitante nº 4

Ao Menino Jesus de Maria
dadivo o dom da biografia... 
O poder de ver a cerejeira
florindo, desflorindo
-e a lua faceira...
Ao Menino Jesus de José,
este meu brinde: bicho de pé
E cada domingo sonolento
a escoar em gotejamento...
Eu sou o Tempo

Visitante nº 3

Trago de presente arco-íris
e paleta de tons para as íris...
Trago as matizes das flores,
verdesmeralda dos mares,
dos beija-flores...
Trago para o meu Rei
que os pés beijarei,
a translucidez das claras
águas: matar a sede...
Eu sou o Pintor de parede

domingo, 13 de julho de 2014

Visitante nº 2

Palavra mel, palavra fel...
Estrela que me guiou,
mesma que prateia o céu...
Do céu que desceu Cristino,
mesmo céu decaiu Noel...
Palavras de vida, de morte,
palavras galgando um norte...
Eis tua visita dileta
que porta a palavra certa...
Eu sou o Poeta

Visitante nº 1

Dos Açores o mel eu oferto,
ao filho do Criador das flores
(e do sagui-de sete-cores)...
Jesus, ó  lindo menino,
correrás entre cravo e açafrão...
Brotamos nós, ó rebento,
honrar espinhosa missão...
Estrepe em coroa, os homens
 irados lhe ferrarão...
Eu sou o Zangão

terça-feira, 8 de julho de 2014

O que levou a seleção da Holanda de 2014 a correr atrás da bola?

Mais uma que veio
jogar água na fogueira:

no futebol tupiniquim,
mais uma rasteira...

Mais uma que veio
nos dar orientação:

mais foco,
mais educação...

Mais uma que veio
gorar a "festa",

uma ânsia interior
se manifesta...

Cuidar de interesses
mais consistentes,

menos entretenimentos
circenses...

Laranjinhas em pele 
de conselheiro:

esporte mais isento
de empreiteiro...

Ideais que fomentem
as carreiras,

os bolsos
e as geladeiras...

Livrar-nos do Karma
samba, futebol,

regado a utopia,
corrupção, álcool...

Apontar-nos
melhor perspectiva:

na escola,
cadeira cativa

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O que leva a seleção da Alemanha de 2014 a correr atrás da bola?


Encerrar o ciclo:
transtorno sociopático

Esse o transtorno:
obsessivo compulsivo

Devolver-nos ao divã
do psiquiatra...

Tratar o louco,
o delirante, o fanático...

Libertar-nos das teias
da mídia, da FIFA;

das nuvens disformes

que nos capturam...

Iniciar, enfim,
o nosso ano

no país que deposita
a vida na bola...

Liberar-nos pro trabalho,
pra normalidade...

Seriam nossos pés
assentes no chão...

Nossas mãos seriam
amassadoras de pães...

E os nossos cérebros,
cérebros enfim seriam...

A Seleção da Alemanha
politica-correta,

nos devolver visão,
lógica, razão...

Restituir-nos a noite,
o dia, os sonhos...

Os ideais plausíveis,
co'o suor cavados...

domingo, 6 de julho de 2014

O que levou a seleção da Colômbia de 2014 a correr atrás da bola?


O "fute" em chute,
a bola em bala

Que não é caramelo,
é de fuzil (a bala)

O tiro de meta
em tiro

O lançamento
em míssil

O estádio em coliseu
O campo em campo
(de concentração)

O esporte em guerra

Camaradagem? Em extinção

A genialidade
em recalcamento,

a chuteira
em ferradura

Inveja em joelhada
Futebol, em UFC

E o espetáculo
em tragédia

E o sonho,
em pesadelo.

sábado, 5 de julho de 2014

O que levou a seleção da Bélgica de 2014 a correr atrás da bola?


A seleção da Bélgica,
o diabo vermelho...

O demônio rubro
infernizou na Copa...

Incendiou sim,
e terminou em sexto...

No seu caldeirão
cozeu gente graúda...

Feito um dragão,
contra a Argentina...

Espetou o garfo,
seus arqui-rivais...

Gente aguerrida,
fazendo diabruras...

Foi bom o duelo,
foi fogo e fumaça...

Foi sete vezes sete
batalhas vencidas...

Sete-peles guardadas
a sete chaves,

próximas sete copas,
ou luas cheias...

Bélicos belgas,
belaz rapaz...

Cálice amargo
do belígero e voraz ...

Pimentinhas ardidas
nos olhos alheios...

Em arenas coléricas,
púrpuras brasas!

sexta-feira, 4 de julho de 2014

O que levou a seleção do Uruguai de 2014 a correr atrás da bola?

Mordiscar a taça,
seria a terceira...

Dentar com garra
esse sonho do tri...

Selvagem morder
o rival à frente...

Feroz ferir
quem lhe atravessa...

A Celeste louca,
mordendo-se...

Com aval do seu povo,
e presidente...

Sem controle,
e se equivocando...

Nação grandiosa
na educação, cultura...

Por que Celeste,
teu repente de ira,

se teu futebol
coroa de louros?

O que levou a seleção da Argélia de 2014 a correr atrás da bola?

Dar bom exemplo,
nos dar bom futebol...

A Argélia,
que grata surpresa...

A Argélia,
seleção cativante...

Despachou a Rússia,
atropelou a Coréia...

Recebidos co'alegria,
na Áfricamiga...

Avançaram pras oitavas,
deram pra Alemanha

um trabalhão danado,
que azarão Argélia!

(O verso já partindo
pra rima que, provindo

duma linda história:
guardarás na memória)

Mas o que nos encantou
nessa seleção, 

da Argélia, em questão,
meu coração,

não, não sua heroica
classificação...

O que nos seduziu 
na seleção argelina,

lhe conto agora,
ó menino e menina:

a seleção da bonita
capital de Argel,

ó leitor dos olhos
doces de mel,

doou pra Gaza sua grana
(diferente de Gana)

A Gaza, da população
carente de amor e pão...

E uma pomba da paz
revoou então...

Que seleção especial,
de Islã e gás natural...

Que gente humanitária,
que esperança espalha...

Abriu mão do prêmio da FIFA,
elevando-se a Califa!