sábado, 26 de julho de 2014

Visitante nº18

Eu venho de ermas fendas 
trazer-Lhe airosa cor...
Nas mãos espeto espinho
mas, ó Nino, replico amor...
Da greta dura do asfalto
saltitando vai sonhador:
lavanda cravo canela,
té lagarto, e é voador...
Isto Lhe trago, ó meu Nino!
Descuidada, sou eu a Flor