domingo, 31 de agosto de 2014

A seguir, poeminhas inspirados no "O Auto das Pastorinhas"

Auto das Pastorinhas,
representação teatral...
Diante do presépio,
comemorar o Natal...

São danças, cantos,
louvores, declamações...
Mimos e encantos,
trazendo saudações

ao Menino que nasce,
missionário da Luz...
Oferecer-lhe-emos
o que melhor traduz:

o amor, o respeito,
a força, a gratidão...
Vem do nosso Portugal,
o original refrão

em que acrescento
meus próprios personagens...
Mantendo porém,
proposições nas mensagens

de reverenciamento
a Cristo Jesus...
É plenitude de vida,
que este Auto traduz...

Lá vem os visitantes
dos cinco continentes...
As mãos não vem vazias,
vejam só seus presentes:

A seguir, meus poeminhas inspirados no Auto das Pastorinhas:

Visitante nº45

Ao Presépio eis que vem,
humana a alma, 
na tez vivaz de neném...
Eu não vi nesse 'spírito virgem-
divinal, a chance de açoitar
uma pena, uma pluma, um pica-pau...
Pudera paralisar esse momento,
não, Rebentos, não lancem ao vento 
a paz, o amor, inerente ao
brotamento...O Nascimento eu sou


sábado, 30 de agosto de 2014

Visitante nº44

A doçura no amargor...
Dissabor em ternura
aveludada, mel mais fino...
Crioulo, pardo, albino,
venho-Lhe, Menino:
gosto, prum cenário desgosto...
Deleite, prum ambiente de-luto...
Aprazer, já que o prazer,
só pela boca o maná
solverá, ah... Chocolate!


Visitante n°43

Ao Nino do olhar castanho,
 amplidão de azul destamanho, brindar-Lhe
venho...Eu sou o anil do vazio
espaço preenchido de rio...
E do mar; mais ares de pio...
Eu, índigo. Eu, azul.
Eu, cerúlea desanuviada mente...
Infelizmente, Jesus e leitor,
pesado o clima, de pó e fedor...
Sai o blue resplandescente...Entra o revês
                                do condor


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Visitante nº42

Sou o que não se tomba,
e venho ao Mestre trazer...
O sol que encoraja a pomba,
e o arapaçu-de-wagler...
Ao dia o meu burburinho,
calor emana meu ninho...
Ave Maria cheia de garça,
mano eu graça, de graça...
Quem sou, já espalhei:
pólen pro jardim de alguém


domingo, 24 de agosto de 2014

Visitante nº41

Vem humilde o visitante, 'inda que
rei, tal o Menino Brilhante...
Vem com voz de uirapuru,
' ao presépio, fascinação...Azul
é a tarde, e o sol que arde,
revela o trovão...Que vibra
as estruturas, treme coração...
Nenhuma trova, meu Jesus,
traduz a glória, tal 'strela reluz,
meu dileto Rebento: eis o Milton Nascimento!

sábado, 23 de agosto de 2014

Visitante nº40

Ó Palavra da Vida e Videira Verdadeira,
 que expressões de amor nos trazes;
quão eruditas, ó Filho, as tuas frases...
Ó Verbo que carne entre nós se fez,
criaste o criador do Haicai japonês...
Trago-lhe, enfim, o que nos deste:
teses álacres que noss'alma veste...
Mais os vocábulos de doçura, candura,
para o fel da ácida ditadura...Sou
escritura e leitura, sou... de-lírio e de-leite

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Visitante nº39

Ao Príncipe da Paz, mais paz 
ofereço: O Irã sem ira,
Iraque sem ataque, Irlanda sem Ira...
Hiroshima, a rosa, não floresceu;
juntos cearam: muçulmano e judeu;
no Sudão a mina, desarmou fui eu...
Sou um Gandhi; uma Teresa de Calcutá, 
sou também gente simples,
mas o poder de atar...Teísta
e ateísta...Pacifista eu sou

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Visitante nº38

Ao Criador, venho eu, Criatura,
esquivando arisco, da captura...
Brotando da caixa de gordura,
fofura nenhuma sou, meu Senhor...
Mas sementes polinizo, das flores...
Do corpo morto, mor' recicladores... 
Além de pitéu, pros bichos superiores...
Dissabores, porém, me são rotulados...
Eu era da mata, me deram ultimato...
Filho de Deus; fino trato: eu, Rato!


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Visitante nº37

Ei-me aqui, Jesus de Luz,
trazer-Lhe minha consciência 
que a paz nos perus reluz...A paz,
que começa nos pratos...
A paz, que termina nos pastos...
A guerra, que me rumina por dentro
quando espeto o animal sangrento...
Honrar os cangurus, esse presépio
que paz traduz...Livrar do pus, os olhinhos
gentis do bichano...Eu sou o Vegetariano

domingo, 17 de agosto de 2014

Visitante nº36

Ao menino dos olhos tão vivos,
memórias Lhe trago, em arquivos...
São sombras de dourados tempos,
uivam ativos, esses ventos:
um tio franzino cercado de filhos,
que cresceriam e seriam esquecidos..
À mesa estes entes queridos:
vê-se um frango e uns figos...
Volátil tudo isso, meus amigos, 
como ambrosia...Eu sou a antiga Fotografia

sábado, 16 de agosto de 2014

Visitante nº35

Ó Luz do Mundo, eis minha prenda:
impávida vida... pra Tua vivenda
Elucido, clarifico, a tua senda...
Ó Luz do Mundo que me arrenda,
o norteio pro nascente...
Crescente planeta de fogo,
fogo pungente...Alvoreja,
clareja, clarifica, cores do atol...
Sob meu lastro trina a ave, e é bemol...  
Ó Luz da luz do Mundo, sou eu o Sol


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Visitante nº34

Ao Cordeiro de Deus, eis
o meu presente: o espaço livre,
da guerra ausente... Sidéreos
sonhos, Éden sem serpente...
Mais azuis os céus, a fumaça
dissipou...A paz para a fauna;
madeira viva eu sou...
Sou terras sem um senhor;
os partos, nenhuma dor...
 Só sabe Deus, e nem eu, quem eu sou

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Visitante nº33

Ao Alfa e ao Ômega, melodia
Lhe trago...Simpatia
sintonia, sinfonia...Fonia
boa de se ouvir, meu Elixir...
Mais Concílio de sílabas,
concento, concerto,
conserto pra esse mundo:
e meu mundo é de pilhas...
De palavras pobres, ricas,
raras...Rasas Rimas eu sou

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Visitante nº32

Ao Salvador, o Cristo Redentor
ofereço...De Salvador, 
trago ao meu Querubim, essas
fitinhas: são do Senhor do Bonfim...
Com cheiro de canela, a flor
na lapela, o hino à capela,
de marmelo o doce...
Fosse povoado o mundo
sob o céu anil, de solidária gente...
Que sente, que se doa, que voa
nos sonhos somos...Povo do Brasil



terça-feira, 12 de agosto de 2014

Visitante nº31

Da Vida, o Pão
Da brisa, canção...
Alegre na manhã, com cheiro
de romã na boca, no bico,
ó meu Príncipe da Paz,
venho eu, tico-tico...
Rodopiando nos ares,
brincando malabares,
alacridade nos azuis marinhos...
Trazer-Lhe júbilo, nós, passarinhos...

domingo, 10 de agosto de 2014

Visitante nº30

Aos pares trago, ao Menino Mestre,
a ingenuidade em listras e mesclas...
E a ousadia de erguer monumental
o sonho, forte e rijo ao temporal...
Minha casa blindada da fé de Tomé,
aferirá o mundo imerso
na natureza esgotada...
No esgoto e no lixo submerso,
chafurdará o povo em chorume breu...
Eu sou Noé, o que na Arca creu

Visitante nº29

Veja, Jesus Menino, o que Lhe
trago: as marés incessantes,
as luas, os diamantes,
tudo o que sólido, mas avante,
se deslizaria, tal veleiro ao vento...
Um olhar de cumplicidade,
uma proposição de amor,
e já é saudade...Levar tudo 
rumo ao carvalho, sem tenuidade...
Assim eu sou: a Esperança, na eternidade

sábado, 9 de agosto de 2014

Visitante nº28

Ao Menino da face rosada,
rosa Lhe trago, não de Hiroshima:
rosa dos ventos que orienta,
rosa do deserto magenta,
rosa que ternura salienta...
Rosa, rosa, rosa,
beldade benta!
Amorosa tal Noel Rosa,
valorosa nessa orbe infernal,
eu sou... o Aroma do colo maternal

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Visitante nº27

Sou quem eu já fui,
felicidade sem preço...
Sou quem sempre serei,
ao olvidamento avesso...
A melhor conjuntura,
a aventura a céu aberto...
Ou a mar aberto...Sou Roberto,
Alberto, Berto;  meu braço aberto,
tal Cristo Jesus, manso servil...
Eu sou um pai, que cedo partiu

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Visitante nº26

Ao Amigo dos pecadores,
dores não venho Lhe trazer,
mas fartura de seiva nas redes...
Sedes saciadas com sumos
de suma importância,
em abundância de opulência...
Vossa Excelência Jesus
ao mundo dará sua luz,
cestas há de encher, e é de amor...
Eu sou o Pescador

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Visitante nº25

Da água em vinho,
venho luzir confiança...
A morte sob o poder:
esperança que não cansa...
Remover as montanhas,
mais recônditas entranhas...
Mais pão e peixe a florescer,
abrir o mar é só querer,
coração febril é meu prazer...
Sou eu, a Euforia de crer

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Visitante nº24

Seguir a 'strela 'té o presépio...
Trazer-Lhe 'special mimo, ó Nino:
um pássaro alegre que dança,
e a mais casta da 'sperança...
É verdesmeralda nos vales,
e aromas nos ares amáveis...
É semente a germinar em pão,
feijão a saltar do embrião,
vida a vicejar em uva...
Chuva sou -em árido chão

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Visitante nº23

Minha cacimba vazia, Jesus,
trago para Tu preencheres...
Sem presentes minhas mãos,
libertas dos triviais prazeres,
eis-me:  alvor que empalidecerá a tez;
flor que amanhecerá talvez...
São as nuvens tão velozes,
cujas figuras disformes...
Dança das dunas no deserto,
eu sou...O amanhã incerto


domingo, 3 de agosto de 2014

Visitante nº22

Venerável meu, quem Lhe vem?
A tua Pequena Notável (quem)
no tabuleiro tem,
tem Bahia e  Rio também...
Tem alegria, tem
Tem fé e força, tem
Braços abertos, tem
Graça tem como ninguém...
Tem o bem, que a lida abranda:
tem, tem Carmem Miranda!

sábado, 2 de agosto de 2014

Visitante nº21

Terna luz eterna,
doce palavra materna...
Compassivo, sou um generoso
ativo...Ocaso assombroso,
de tão 'vilhoso !
Ao que 'sperança nossa vida,
ao que amansa o suicida;
trago-Lhe paz que desfaz
batalhas e de Alzamor...
Eu sou o Amor