segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Visitante nº23

Minha cacimba vazia, Jesus,
trago para Tu preencheres...
Sem presentes minhas mãos,
libertas dos triviais prazeres,
eis-me:  alvor que empalidecerá a tez;
flor que amanhecerá talvez...
São as nuvens tão velozes,
cujas figuras disformes...
Dança das dunas no deserto,
eu sou...O amanhã incerto