domingo, 17 de agosto de 2014

Visitante nº36

Ao menino dos olhos tão vivos,
memórias Lhe trago, em arquivos...
São sombras de dourados tempos,
uivam ativos, esses ventos:
um tio franzino cercado de filhos,
que cresceriam e seriam esquecidos..
À mesa estes entes queridos:
vê-se um frango e uns figos...
Volátil tudo isso, meus amigos, 
como ambrosia...Eu sou a antiga Fotografia