quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Vá, Natal...

Vá Natal...
Leva as relações humanas
desumanas...

Vá Natal...
Leva a minha bondade
centesimal...

A sua estrutura
comercial,

leva

A alma focada,
vil-metal,

lava

Vá Natal,
leva  essa confraria ocasional

Seu brilho fugaz:
ornamental

Seu peso no bolso
e estomacal

A minha fadiga
(vá, Natal...)

Seu mor-delito,
pecado capital:

a de trocar o Cristo
pelo cristal