quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Anchieta quando passa
na trilha do paraíso,
ruma com índio, com bicho...
Jamais segue narciso

Vai onça atrás do Padre
Vai índio, do grande ao guri
Que mito que é Este homem
que atrai tanto sagui !

Os passos que tocam o solo, 
vão rebentando bromélias...
Abrem-se flores formosas
que entusiasmam camélias...

Anchieta quando cruza
as bandas de Vila Velha,
orna o Convento com cruzes
que trouxe na caravela

Soma por onde passa:
obra e sentimento...
Sonha por onde passa,
com o saneamento

Anchieta quando passa,
pra resguardar o cenário...
D'uma legião que especula
em cima do pobre canário

Anchieta quando passa
atrai o anfíbio e a cobra
Vai o Homem edificando...
É pau pra toda obra!