domingo, 15 de fevereiro de 2015

Que valoroso o trabalho
do Jesuíta!
Mas há quem crimine
sua missão bonita... 

Anchieta ensinava,
bem didaticamente,
o que pensava ser
o certo, obviamente...

Que todos temos nós
uma concepção...
E a defendemos com 
unhas, dentes, e um sermão...

Anchieta, ser do bem,
a Jesus fiel...
Queria apenas conduzir,
o irmãozinho ao Céu...

Que virtuoso o trabalho
do meu Santo!
Que contava os feitos
de Cristo, em canto,

em teatro, em poema...
Não, não há problema,
amigo leitor,
em pregar o amor...

Amor que tudo sofre,
crê, espera, suporta...
E que habilita pra vida:
regar a horta...

Amor que índio
e branco, um dia uniu...
Pelas mãos de Anchieta,
Apóstolo do Brasil!