domingo, 15 de março de 2015

Anchieta passou
na Praia da Areia Preta...
A onda não apagou,
os passos do Anacoreta

Anchieta pisou,
divinizado naco do planeta...
Por onde Ele marcou,
nem tsunami apagou

Ainda Seus pés,
ainda Suas mãos...
Numa nação erguida,
co'os  co-irmãos

Ainda Sua alma,
a Sua energia...
Gran' obra fundada
pela ousadia

Ainda seus poemas
escritos n'areia...
Estas marcas,
nem vento ricocheteia

Anchieta passou
na Atlântica Mata...
Protegeu-a,
e à lua de prata...

Anchieta passou
pelo Estado do Amém...
Ainda o vejo passando,
mesmo no além

Anchieta bolou
a moqueca capixaba...
A legítima,
a que não é peixada...

Anchieta passou
pelo litoral mineiro...
Quis morrer ali,
belo mais que Janeiro!