sexta-feira, 3 de abril de 2015

Caminha Anchieta,
vai por amor...
Vai pelas rosas
de bom olor

Vai pelo céu,
límpido azul...
Guiado vai,
o Cruzeiro do Sul

Caminha Anchieta,
pela fé vai...
O Céu o espera:
promessas de Pai

Anchieta caminha,
som de natureza...
Caminhasse hoje,
que torpeza!

Lixo e burburinho
pelo caminho...
Mudou o primata
Sumiu choca-da-mata

E o astral das noites
enluaradas...
Por pousadas caras,
complicadas...

A bagagem era simples,
a cama era rocha...
Amigo era índio
E a luz, tocha

Caminhava Anchieta
num tempo tal...
A rima era rica,
substancial...

Caminhasse enfim,
atual...Não mais
reconheceria
a cercada Pontal

São cercas e muros,
loteando praias...
Arpões eletrônicos
capturando arraias

Caminhava Anchieta 
num tal tempo...
Era tempo certo,
pro seu passatempo

Seguiria eu, feliz,
o Anchieta...
Nesse tempo outro,
nesse outro planeta...