quarta-feira, 22 de julho de 2015

Veja quem vem: o homem pensante,
do semblante intrigante...
Esse Rodin é brilhante!
Parece sem ação, dinheiro pro pão,
o Pensador que sentou (o fazedor vazou).
Quem sabe pensando antes, pra agir,
 já vou, já voou...
Co'o Pensa-dor, matutemos então,
olhando ao chão, onde MÁRMORES estão.
As pedras são amarelas,
os olhos não saem das belas...
As veias da estátua,
também saltam delas!
Das janelas se vêem flores,
mas do chão é que brotam elas... 
Olhares ao chão,
às flores e pedramarelas... 

Co'a conclusão: fim da missão.
Posto que há palavrinha mágica,
nesta composição trágica...
Vou lá pegar meu trem das onze.
Mas o Pensador é de bronze!