domingo, 6 de dezembro de 2015

Gente que não larga o osso

Por que os anos são iguais,
e as notícias se repetem?
Por que as águas dos mares
os mesmos lumes refletem?

Por que os homens não crescem?
Sua evolução cavernóide...
Aranhas menos teias tecem,
eu li num certo tablóide...

Por que nós sempre os mesmos,
aceitando corruptibilidades?
Por que assinamos os termos,

e os lemos pelas metades?
O companheiro e sua teima:
por que tuas nulas verdades?