sábado, 20 de fevereiro de 2016

Amor à tradição (número dois)

Paneleira, singular Paneleira...
É distinta a mulher brasileira
Que valoriza a gênese,
a genealogia,
a família,
a tia mais primitiva...

Paneleira, ave altaneira...
Só de Goiabeira,
a mulher sem canseira
Não traíra a receita,
sua avó Paneleira...
Não trocara o robalo
ou o barro, 
bisa muquequeira...

Paneleira, flor de laranjeira...
Valora a sabedoria
passada de mãe pra filha...
Eu me encanto com tua ilha...
Eu me encanto com tua tina...

Paneleira, artesã de primeira...
Tua firmeza admiro
Admiro também Colatina,
crepuscular Colatina
da cor, tua bandeira...

Paneleira, já sou eu saideira...
Mas antes do último bonde
subir a reta da Penha,
eu lhe felicito...
Pelo teu ato bonito,
de resguardar o rito
Passado, roseira-roseira...