quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Esteio

Panela, panela,
gratidão à bela...

Panela que enche
barriga de pimpolho,

panela que dá graça
ao repolho...

Ela que forma o filho,
a panela que anos a fio,

financia ideais!
Não, nunca mais

os banhos sem sais
nas Índias Ocidentais!

Panela, panela,
à bela, gratidão...

E ao barro, e à mão,
a Joana, ao João,

ao joão-de-barro...
Que da lama, tão

ardor faz sua casa...
A panela que casa,

que compra carro
(errou quem achou

que não faz pro cigarro),
a panela das alças,

das asas...