domingo, 15 de janeiro de 2017

As lutas de Ruschi

Pelo direito, ser rodeado,
ao mais sagrado que existe:

álacre pássaro, seu alpiste,
no quintal sombreado...

Não genocida a vida, 
pelo direito...
Robalo não mercuricida:

a pescaria de vara
de vera, nos proveria

Água cristalina
pelo direito, de graça

E da graça da garça 
Branco ou negro, o cisne...

Pelo direito, ter peito
para o dever do trabalho

se a paga bem paga,
e sem penduricalho...

Pelo direito, o dinheiro
não mercaria:

cobrir no leito a criança,
quarto de paz e escuro...

Sonham os pais, o país, 
pelo direito o futuro...

Pelo direito aos ninhos,
intocáveis os filhos!

Dum mundo augusto,
pelo direito

quase mundo perfeito 
E justo